Aplicando a inteligência emocional às finanças

"Aprenda a usar suas emoções para pensar e não pensar com suas emoções"

O que é inteligência emocional?

Vamos separar o significado dessas duas palavras para melhor entendê-las.


Inteligência = Capacidade de compreender e resolver novos problemas e conflitos e de adaptar-se a novas situações.


Emocional = Em que há transtorno afetivo, forte abalo sentimental; que provoca comoção; que desperta sentimentos intensos.


Para definir melhor inteligência emocional, podemos dizer que é a compreensão de como as emoções ocorrem dentro de nós e das outras pessoas, é compreensão das melhores formas de agirmos mediante a tal compreensão.


Como desenvolver Inteligência emocional?

Uma das melhores formas de desenvolver inteligência emocional é se conhecer.

A frase deste post, foi retirada do livro “Pai rico, Pai pobre”, no qual um dos personagens do livro o "Pai Rico", usa para orientar o autor e o próprio filho, para que usem suas emoções para pensar ao invés de pensarem com as emoções.


Neste ponto, quero falar especificamente sobre como a inteligência emocional pode transformar nossa forma de pensar e gerenciar nossas finanças.

Como a compulsão para compras descontroladas ou o medo de enfrentar os desafios que exigem a gestão financeira.


Entender que nossas emoções são “gatilhos” que iniciam programas dentro de nossos cérebros, fazendo com que tomemos decisões específicas é o que pode nos ajudar a manter a resiliência. É o que pode nos ajudar a realizar objetivos com o cumprimento de metas simples.


Aprender que não temos controle das nossas emoções, mas que podemos sim, gerenciar melhor as ações que nossas emoções iniciaram dentro de cada um de nós, pode ser o diferencial para nos tirar de uma vida medíocre e nos levar a outros níveis de desenvolvimento pessoal, sentimental, familiar espiritual e financeiro.


Mas como é isso como isso tudo funciona na pratica?

Para saber melhor como a inteligência emocional funciona ou como podemos aplica-la, vou enumerar alguns pontos dos perfis de quem tem um alto nível e um baixo nível de inteligência emocional.


Pessoas com alto nível de inteligência emocional

  • Sabe identificar corretamente as suas próprias emoções e das pessoas em seu convívio.

  • Consegue trabalhar suas emoções, de forma a não se impedir de senti-las, mas sabendo como manuseá-las.

  • Adapta-se aos diferentes ambientes, interagindo de acordo com o que se exige em cada um deles.

  • É assertiva, empática, de fácil acesso e atenta aos outros.

  • Sabe o momento certo para impor e também o momento de ceder.

  • Tem bom humor e autocontrole prologando.

  • Abraça tarefas difíceis sem listar inúmeros impedimentos para realiza-las antes mesmo de saber exatamente do que se trata.

  • Conhece-se bem, conseguindo identificar seus maus momentos e evita interações mais próximas ou tomadas de decisões complexas nesses dias.

Pessoas com baixo nível de inteligência emocional

  • Não sabe ouvir, não está disponível para aprender

  • Demonstra a sensação de que não é entendida ou que não consegue entender as outras pessoas.

  • Normalmente é chamado de “uma pessoa difícil”

  • Tem dificuldades para lidar com emoções intensas, suas próprias e também de terceiros.

  • Não estabelece uma conversa em um nível de cooperação.

  • Prefere argumentar com “negações”, tentando ocultar emoções desagradáveis para ter que encará-las.

  • Sofre com alto nível de estresse, acarretando adoecimento mental e físico.

  • Enxerga apenas fatos e dados, ignorando valores e emoções.

Mas qual a razão de falar de inteligência emocional e relacioná-las às finanças

A maioria de nós gerencia o dinheiro de forma emocional, tomando decisões ilógicas que trazem prejuízos inesperados, trazendo grandes prejuízos para o orçamento financeiro familiar e quando esse prejuízo é identificado, muito tempo será perdido em prol de recuperar o prejuízo.


E é nesse ponto que a inteligência emocional entra, pois deixamos de usar o pensar com as emoções e usamos as emoções para pensar.


Se temos uma meta para alcançar um grande objetivo, mas no caminho nos deparamos com algo que parece uma oportunidade incrível, nossa emoção irá nos levar a não “perder” essa oportunidade, pois o nosso piloto automático está pronto para entrar em ação, iniciado pela emoção.


Mas se treinarmos nossa inteligência emocional, atuaremos com cálculos, com medidas, estaremos aptos para inserir essa oportunidade ou não, escolhendo viver essa oportunidade ou não, tomaremos essa decisão com base no planejamento, com base na realidade e não apenas na expectativa.


Lidar de forma específica com as finanças pessoais é uma tarefa que se apresenta como um desafio para muitas pessoas, e é preciso estar em constante treinamento e prática para que isso possa ser feito com tranquilidade.


Inserir o pensamento racional, calmo e tranquilo nas finanças pessoais a partir dos métodos de uso da inteligência emocional é uma das melhores estratégias para conseguir tomar controle de sua vida em geral.


#finançaspessoais #inteligenciaemocional #administração